Desporto sensível no “campo” do Vila Flor

No passado sábado, 17 de março, o café-concerto do Centro Cultural Vila Flor foi palco de uma interessante demonstração desportiva. São uma banda e chamam-se Sensible Soccers, um nome que presta homenagem a um dos jogos de computador mais emblemáticos dos anos 80. E isto ajuda a perceber o que nos esperava.

Em tournée há já uns meses por várias cidades da Península Ibérica, esta banda portuguesa – que tem ganho destaque fora e dentro das nossas fronteiras -, fez a sua paragem por Guimarães. Apesar de o público não ter aderido de forma entusiástica (mas isso são os riscos dos cafés-concerto, onde o público nem sempre sabe ao que vai e, na maioria das vezes, nem vai para nada), o quarteto levou-nos numa viagem com sons às vezes eletrónicos, às vezes analógicos, que nos fazem divagar por universos acolhedores, com uma estética quase sempre familiar e muitas vezes irónica. Não inventam, apenas reinventam e reciclam e reconstroem.

Na sua página do Facebook descrevem-se como um quarteto que pratica um futebol muito sensível, muito meigo e com muito carinho. Os Sensible Soccers praticam um futebol lindo (…).Sendo um dos músicos (Né Santos) elemento dos, infelizmente, desaparecidos The Portugals, o que aí vinha só podia augurar coisas boas. Mas até podia não ser. Mas foi.

Têm um ótimo trabalho, têm uma excelente imagem e até o nome é bom. Ainda que os SS estejam nos primeiros minutos da partida, se se aguentarem na mesma linha dos últimos meses, o tempo dar-lhes-á a maturidade e a consistência que lhes falta, para continuarem a dar cartas, na primeira liga da música eletroindie. E num mundo onde o futebol é rei, atrevo-me a dizer que os Sensible Soccers serão the next big thing (ou como diríamos em português: vão ser grandes), no que toca a música. Aqui e além.