5 razões para gostarmos do Quintanilha antes mesmo de lá chegarmos

QR2016_foto1 (1)

O festival Quintanilha Rock, em Bragança, começa na próxima quinta-feira, dia 7, e, até sábado, vão passar pelo parque do Colado, mesmo junto à fronteira, 17 bandas portuguesas e espanholas, como Capitão Fausto e The Parrots.

O sítio – A hospitalidade das pessoas de Bragança e a beleza da zona em que acontece o festival, à volta do rio Maçãs, são alguns dos principais atractivos. O palco principal fica no parque de lazer do Colado e há outro junto à praia fluvial, do outro lado do rio, que tem o charme que a imagem acima documenta. Pormenor que não é de somenos: o palco secundário já fica em Espanha e o festival assume, de uma ponta à outra, esse carácter ibérico e transfronteiriço. Com a Europa a desfazer-se em migalhas, haverá algo mais bonito?

O cartaz – A programação do Quintanilha Rock está dividia quase irmãmente entre os dois países – há nove projectos portugueses e oito espanhóis. Os grandes destaques são os Capitão Fausto, que vivem o ano de todos os sucessos, e os prometedores Galgo. De Espanha chega o surf garage dos The Parrots e os Baywaves, que tocaram na última edição do Primavera Sound de Barcelona. No cartaz cabem ainda The Sunflowers, Toulouse, Yawners, Sorry Kate, Plus Ultra, Cave Story, Stone Dead, Pista, Juventud Juché, Tigres Leones, Mahalo e Alien Tango.

A tasca – Dá para ir ouvir música num sítio onde se come presunto transmontano, se bebe vinho tinto e conversamos com as pessoas da terra? No Quintanilha, dá. Aliás, é numa tasca assim que começa o festival. A mítica Adega do Fanhascas é já um dos ex-libris do festival brigantino, recebendo o concerto de abertura para que, este ano, foi convidado Homem em Catarse – que tocou no O Ócio Ocupa 1, em Abril.

A comida – No lugar dos habituais vendedores de comida rápida dos festivais de Verão, no Quintanilha Rock encontram-se restaurantes locais que servem pratos e produtos tradicionais transmontanos, como a posta de vitela ou o galo no pote. Vamos com vontade de comer uma feijoada e já nos garantiram que também se pode encontrar por lá.

O preço – Estamos um bocadinho fartos dos festivais que nos custam um quarto do salário. E o Quintanilha – que quase pediu desculpa por ter que cobrar bilhete – tem um preço que é um mimo: o passe geral para os três dias do festival vale 10 euros e os bilhetes diários custam 8 euros.